Seja Bem Vindos(as)
Estado de Goiás Geral

Promotor eleitoral requisita investigação de possíveis crimes praticados nas eleições em Quirinópolis-Go

Summary

A Promotoria Eleitoral de Quirinópolis recebeu, no dia das eleições (15/11), diversas denúncias de propaganda irregular, divulgação de notícias falsas (fake news) e violação do sigilo do voto. Após apuração preliminar, os casos foram encaminhados à Delegacia de Polícia, para […]

A Promotoria Eleitoral de Quirinópolis recebeu, no dia das eleições (15/11), diversas denúncias de propaganda irregular, divulgação de notícias falsas (fake news) e violação do sigilo do voto. Após apuração preliminar, os casos foram encaminhados à Delegacia de Polícia, para lavratura de termo circunstanciado de ocorrência (TCO).

O promotor eleitoral Augusto César Borges Souza aponta que, entre os casos apurados, está a divulgação, no dia do pleito, de notícia inverídica informando a mudança do número de um dos candidatos a prefeito de Quirinópolis, para tentar induzir a erro os eleitores. A notícia foi impulsionada por diversas pessoas, inclusive por um dos candidatos, que, supostamente, teria divulgado o conteúdo falso em grupo de WhatsApp da prefeitura.

Segundo a legislação eleitoral, é proibida a publicação e o impulsionamento de novos conteúdos pela internet que constituam propaganda (positiva ou negativa) de candidato e possam influenciar as eleições. Os infratores estão sujeitos à pena de seis meses a um ano de detenção, além do pagamento de multa no valor de 5 a 15 mil Unidades Fiscais de Referência (Ufirs). No caso de propagação de notícia falsa, o candidato responsável ainda incide no crime previsto no artigo 323 do Código Eleitoral, que estabelece pena de dois meses a um ano.

Sigilo do voto
Também foram recebidas denúncias de violação do sigilo do voto, com a divulgação, por eleitores, de imagens da urna com a numeração de candidato registradas durante a votação. Conforme esclarece o promotor, essa conduta constitui crime, sujeitando o infrator a pena de detenção de dois anos.

Por fim, o Ministério Público Eleitoral ressalta o compromisso institucional em combater a desinformação e a propaganda ilegal durante as eleições, para garantir que o eleitor exerça seu direito ao voto de forma livre e consciente. (Texto: Cristina Rosa / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

Fonte: https://www.mpgo.mp.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Chat On-Line